Príncipe encantado não existe! Será mesmo?

príncipe encnatado 2

Vó, sabe de uma coisa: Príncipe encantado não existe!

Bem… será que não existe mesmo ou você beijou um sapo pensando que ele era um príncipe?

Posso garantir que existem mais sapos do que príncipes, mas.. não moramos num reino distante, mas numa cidade enlouquecedora! E… sem cavalo branco, sem chapéu com uma pena caída do lado e sem aquele short bufante esquisito, como saber quem é o príncipe?

Depois de uma decepção com alguém, um fim de namoro… temos uma lista de defeitos daquela pessoa, até o ponto que a gente pensa: como é que eu pude me envolver com esse cara… Ok. Esse é o melhor jeito de esquecer alguém – focar nos defeitos, e isso é fácil. Todos nós temos defeitos mesmo. Mas aqui estamos falando de outra coisa – estamos falando do Príncipe, não do sapo.

Vamos voltar a ele.

O que você espera de um companheiro? Como é o príncipe encantado que habita em sua imaginação?

A pergunta é até bastante simples, mas a resposta… como responder a uma questão tão complexa?

Meu príncipe encantado, por exemplo, é inteligente, divertido, disposto a novos desafios.

Outra pessoa pode descrevê-lo como um homem com uma carreira da qual ele se orgulhasse, uma pessoa elegante e forte.

Podemos aumentar a qualidade do nosso príncipe: uma pessoa que demonstre paixão pela vida, curioso, valente.

Um homem romântico, que saiba fazer boas surpresas.

Mas o exercício vai mais longe. Agora vamos pensar o que o príncipe NÃO pode fazer, coisa que você não aceitaria num companheiro.

Um homem bruto, mal educado, inculto, sem vontade de trabalhar, sem projetos… e a lista pode ser muito, muito longa.

Um mentiroso não dá pra aguentar… Um mulherengo… Um agressivo…

Sabe como é o verdadeiro Príncipe? É o homem que tem, para você, as qualidades essenciais e defeitos suportáveis.

Você tem de listar quais as qualidades que são essenciais em um homem que queira ser seu companheiro para toda a vida. Depois liste os defeitos, aqueles que você realmente não aguentaria em alguém. Coloque cerca de oito itens em cada uma das listas. Pense bem em cada um dos itens. Volte-se as listas depois de uma semana, veja se é isso mesmo. Depois coloque essas duas listas no fundo do coração e, quando encontrar alguém, espere passar a sensação das borboletas se debatendo no estômago. Depois disso cheque a sua lista – qualidades essenciais e defeitos insuportáveis. Se faltar uma qualidade ou se ele tiver um dos defeitos listados, afaste-se, a relação não vai pra frente. Mas se ele tiver todas as qualidades e nenhum dos defeitos da lista, arrisque-se, porque a relação tem tudo para dar certo.

Mas preste atenção: se encontrar apenas um defeito que, para você, é insuportável…. não se iluda que você vai conseguir mudá-lo.

Ninguém muda. Você não pode se apaixonar por alguém que você queira mudar, isso não é paixão, é trabalho. Moldar-se ao outro é possível. Aprender com o outro e com a vida, além de possível, é extremamente bom. Abrir mão de uma coisa por outra mais importante é amadurecimento, mas quando não se encontrar as qualidades essenciais ou se enxerga defeitos insuportáveis numa pessoa, tenha certeza de que, em algum momento, você vai odiá-lo.

E você agora deve estar pensando… Quando se têm as qualidades essenciais e não tem nenhum dos defeitos insuportáveis, sempre vai dar certo?

Não necessariamente. Primeiro porque ele pode não ter observado se você tem as qualidades essenciais e não tem os defeitos que ele julga insuportáveis.

Segundo, e o mais sério, é que a gente arruma briga, acha problema em coisas que não são tão importantes. Eu já vi casamento terminar porque o marido não se lembrou do aniversário de casamento. Vi também uma separação onde a gota d’água foi ela ter engordado. Lembrar do aniversário do casamento está na lista de qualidades essenciais? Beleza eterna está na lista? Mas… no dia a dia a gente começa a confundir o que é essencial, e muitos pequenos defeitos viram insuportáveis.

Um companheiro para o resto da vida… resto da vida é muito tempo! Para dar certo, para ser possível essa tarefa tão longa, é preciso relevar, deixar de lado muitas pequenas coisas. Concentre-se nas grandes, só no que é essencial. Só assim você pode ter um final feliz.

Agora… mãos à obra. Trabalhe sua relação, trabalhe em suas listas… e ame muito. Não há nada melhor do que compartilhar a vida com alguém que se ama…